• Document: 6. INSTALAÇÕES PREDIAIS DE COMBATE A INCÊNDIO
  • Size: 596.65 KB
  • Uploaded: 2019-07-18 16:08:04
  • Status: Successfully converted


Some snippets from your converted document:

6. INSTALAÇÕES PREDIAIS DE COMBATE A INCÊNDIO 6.1 QUADRILÁTERO DO FOGO Combustível: elemento que reage com o oxigênio, produzindo a combustão. Os combustíveis podem ser divididos em: sólidos, líquidos e gasosos. Um dos métodos de extinção consiste na retirada do material combustível (ação física). Calor: elemento que dá início ao incêndio e que incentiva a sua propagação. O método de extinção mais utilizado consiste no controle da reação de combustão ou resfriamento do material incendiado, sendo a água o agente extintor mais utilizado. Oxigênio: elemento responsável pela manutenção das chamas e intensificação da combustão. Denomina-se “abafamento” ao método de extinção que consiste na diminuição dos níveis de oxigênio abaixo da concentração requerida pelos materiais para queimar. Exemplos: utilização de panos para controle de pequenos incêndios; utilização de sistemas de inundação total com gás carbônico. Reação em Cadeia: ocorre na reação química da combustão (exotérmica) e acaba por retro-alimentar o processo. O método de extinção pela inibição da reação em cadeira da combustão aplica-se àquelas em que há produção de chamas. Existem elementos capazes de reagir com os radicais ativos intermediários da reação química da combustão, intervindo e rompendo a reação em cadeia. 6.2 LEGISLAÇÃO Lei Municipal Nº 3301/1991 - “Disposições sobre normas de prevenção e proteção contra Incêndio”. Esta Norma fixa os requisitos indispensáveis a Prevenção e Proteção Contra Incêndio nos prédios e estabelecimentos do Município de Santa Maria, considerando, principalmente, a segurança de pessoas, instalações, equipamentos e mercadorias. Lei Estadual No. 10987/1997, RS. Estabelece normas sobre sistemas de prevenção e proteção contra incêndios, dispõe sobre a destinação da taxa de serviços especiais não emergenciais do Corpo de Bombeiros e dá outras providências. Instalações Hidrossanitárias Prediais 1 Decretos Estaduais No. 37380/1997 e No. 38273/1998, RS. Aprova as Normas Técnicas de Prevenção de Incêndios e determina outras providências. As Normas tem por finalidade fixar os requisitos mínimos exigidos nas edificações e no exercício de atividades profissionais estabelecendo especificações para a segurança contra incêndios no Estado do Rio Grande do Sul. NR 23 - Proteção Contra Incêndios, do Ministério do Trabalho. Para fazer o projeto deve-se sempre adotar a lei municipal ou a lei estadual (a mais recente), se a lei municipal é mais branda, vale a lei estadual. Para o dimensionamento e detalhamento das instalações e equipamentos devem ser seguidas as normas brasileiras (ABNT). 6.3 CLASSES DE INCÊNDIOS: CLASSE ‘A’ – Fogo em materiais combustíveis sólidos, tais como madeira, papel e assemelhados. A extinção se dá por resfriamento, principalmente pela ação da água. CLASSE ‘B’ – Fogo em combustíveis líquidos e gasosos, tais como: inflamáveis, óleos, graxas, vernizes, GLP e assemelhados. A extinção se dá por abafamento, pela quebra da cadeia química ou pela retirada do material. Os agentes extintores podem ser produtos químicos secos, líquidos vaporizantes, CO2, água nebulizada e a espuma mecânica (mais indicado). CLASSE ‘C’ – Fogo em equipamentos elétricos tais como: transformadores, motores, aparelhos de ar condicionado, televisores, rádios e assemelhados. São usados os pós químicos secos, líquidos vaporizantes e o CO2. CLASSE ‘D’ – Fogo em metais pirofóricos, tais como: magnésio, titânio e zircônio. Esses metais queimam mais rapidamente, o combate exige equipamentos, técnicas e agentes extintores especiais, que formam uma capa protetora isolando o metal combustível do ar atmosférico. 6.4 SISTEMA DE COMBATE A INCÊNDIO Objetivos: extinguir o fogo; evitar a sua propagação; resfriar os materiais e o edifício. Classificação: - Sistemas móveis: extintores por

Recently converted files (publicly available):